domingo, julho 06, 2008

Visões sobre a consciência

A coletânea Ontology of Consciousness (MIT Press, 2008), editada por Helmut Waltischer, traz visões sobre a consciência de várias eras e de várias culturas sobre a experiência subjetiva da consciência.

A editora disponibiliza para acesso online o sumário e alguns capítulos.

Causação mental na SEP

A Stanford Encyclopedia of Philosophy traz artigo atualizado sobre causação mental. O artigo, de autoria de David Robb e John Heil, deixa de lado a questão tradicional da relação entre a mente e o corpo e foca em questões relacionadas às propriedades mentais, como o papel causal das mesmas no comportamento.

Filosofia da biologia na SEP

A Stanford Encyclopedia of Philosophy traz artigo atualizado sobre filosofia da biologia. O foco do artigo, de autoria de Paul Griffiths, é tentar explicar o que é a filosofia da biologia.

sexta-feira, julho 04, 2008

Habermas sobre o retorno da religião

A revista mexicana Diánoia de maio de 2008 traz "El Resurgimiento de la Religión, ¿un Reto para la Autocomprensión de la Modernidad?" (PDF), artigo no qual o filósofo alemão Jürgen Habermas revisa a tese da secularização que fundamenta visões modernas do progresso social à luz do recente avanço da religião.

Em língua portuguesa, o tema também pode ser conferido no livro A Religião, editado por Jacques Derrida e Gianni Vattimo.

segunda-feira, julho 30, 2007

Ronai Rocha sobre a filosofia no ensino médio

É preciso superar as posições idealizadas sobre o papel da filosofia, da educação e da escola; não podemos esperar delas mais do que podem dar, como se ouve por aí nos diversos salvacionismos invocados para solucionar os problemas da humanidade; a filosofia não pode ser confundida com messianismo ou chave universal. Ela deve estabelecer uma parceria com as demais disciplinas escolares, em espírito inter e multidisciplinar; o professor de filosofia deve conviver com a prática efetiva das demais disciplinas, conhecer seus conteúdos, acompanhá-los. A Filosofia, mais do que um acervo de habilidades ou de erudição, deve representar, no currículo, uma possibilidade de amadurecimento da experiência conceitual do educando.
moranafilosofia/2007: Metodologia severina

Blogged with Flock

quarta-feira, março 28, 2007

quarta-feira, março 07, 2007

Morre Jean Baudrillard

RS URGENTE: "Morreu nesta terça-feira, em Paris, aos 77 anos, o filósofo e sociólogo francês Jean Baudrillard, considerado um dos principais teóricos da pós-modernidade. Oriundo do movimento de maio de 68 e um dos fundadores da revista Utopie, Baudrillard publicou mais de 50 livros, entre os quais 'O Sistema dos Objetos' (1968), 'A Sociedade de Consumo' (1970), 'Simulacros e Simulações' (1981) e 'América' (1997)."

segunda-feira, fevereiro 05, 2007

Paul Guyer - Kant - Reviewed by Helga Varden, University of Illinois at Urbana-Champaign - Philosophical Reviews - University of Notre Dame

Paul Guyer - Kant - Reviewed by Helga Varden, University of Illinois at Urbana-Champaign - Philosophical Reviews - University of Notre Dame: "Kant is an introductory book to all of Kant's philosophy. Such a project requires not only intimate knowledge of the entire body of Kant's writings, as well as his key interlocutors and interpreters, but also an ability to present the core philosophical questions Kant was concerned with in a compressed, and yet intelligible manner for an audience new to philosophy. Paul Guyer is one of the few philosophers who can take on such a huge task, and to have accomplished it in a mere four hundred pages is simply impressive. There is no doubt that this book will be of invaluable help to those who are striving to understand Kant's philosophy, including its place in the history of philosophy and its role as a source of inspiration for contemporary philosophy."

La UE: a por la Open Science « ConTexto

La UE: a por la Open Science « ConTexto: "Las autoridades europeas lo dicen bien claro. Están convencidas de promover la open science. Es decir, apostar por modelos de publicación y distribución del conocimiento en abierto, en revistas con derechos de autor limitados, que permitan el acceso a sus contenidos y su posterior distribución."

quinta-feira, janeiro 25, 2007

Rorty e os intelectuais iranianos

Richard Rorty (esquerda) parece ser bastante influente entre os intelectuais iranianos. Na foto, ele com Akbar Ganji (meio) e Abbas Milani (direita). Em iranian.com: Iranian of the day (2/8/2006), via fa.analytic-philosophy: Rorty in Iran.

quarta-feira, janeiro 17, 2007

Concurso PUC-Campinas

A PUC-Campinas realizará concurso para contratação de 3 professores doutores na área de Filosofia, visando formar quadros para a formação do Mestrado.

O edital deve sair nos próximos dias. As inscrições serão feitas até o final de janeiro e o concurso será feito no dia 02 de fevereiro.

Os candidatos deverão apresentar projeto relativo à linha de pesquisa Ética e Sociedade. Mais detalhes serão fornecidos no edital. Informações da ANPOF por email.

sexta-feira, janeiro 12, 2007

Morre Bento Prado Jr.

Nota de João Carlos Salles recebida através de email da diretoria da ANPOF:
Lamento informar o falecimento do professor Bento Prado de Almeida Ferraz Junior, neste dia 12 de janeiro. Colega e grande amigo, Bento é também um exemplo em requinte e em profundidade do que melhor se produziu em Filosofia no Brasil, destacando-se tanto por sua escrita quanto por sua fala. Além disso, é também um exemplo de compromisso institucional, de empenho pela comunidade filosófica nacional, tendo sido, aliás, por duas vezes, Presidente da ANPOF. Como personalidade pública, sua corajosa história é bastante conhecida, sendo ele, além de profissional da Filosofia, um destacado intelectual brasileiro.
Nota de Álvaro Valls, presidente da ANPOF:
A ANPOF perde então um de seus grandes Presidentes, e muitos de nós perdemos um grande amigo, mas a memória de sua inteligência excepcional, de seu humor finíssimo e de sua afabilidade com os mais jovens deve permanecer.

quarta-feira, janeiro 10, 2007

Morre Vernant

Na Terra:
O filósofo e historiador francês Jean-Pierre Vernant, um dos principais especialistas em Grécia Clássica, morreu na noite de terça-feira aos 93 anos, informou, nesta quarta-feira, sua família, que não deu detalhes sobre a causa da morte.

terça-feira, janeiro 02, 2007

Artigo sobre livre-arbítrio no NY Times

Saiu um artigo sobre livre-arbítrio no New York Times de hoje. Há elementos interessantes no artigo. Por exemplo, Mark Hallett consegue concordar com Descartes e Spinoza ao mesmo tempo. Tal como Descartes, ele aceita que temos a experiência do livre-arbítrio, e tal como Spinoza, ele rejeita que o tenhamos:

Mark Hallett, a researcher with the National Institute of Neurological Disorders and Stroke, said, “Free will does exist, but it’s a perception, not a power or a driving force. People experience free will. They have the sense they are free.

“The more you scrutinize it, the more you realize you don’t have it,” he said.

Para Dennett, estamos imersos na causalidade, mas isso não é problema para a responsabilidade moral. Ao contrário, por haver causalidade, podemos planejar nossas ações:
The belief that the traditional intuitive notion of a free will divorced from causality is inflated, metaphysical nonsense, Dr. Dennett says reflecting an outdated dualistic view of the world.

Rather, Dr. Dennett argues, it is precisely our immersion in causality and the material world that frees us. Evolution, history and culture, he explains, have endowed us with feedback systems that give us the unique ability to reflect and think things over and to imagine the future. Free will and determinism can co-exist.

“All the varieties of free will worth having, we have,” Dr. Dennett said.

“We have the power to veto our urges and then to veto our vetoes,” he said. “We have the power of imagination, to see and imagine futures.”

In this regard, causality is not our enemy but our friend, giving us the ability to look ahead and plan. “That’s what makes us moral agents,” Dr. Dennett said. “You don’t need a miracle to have responsibility.”

sábado, dezembro 09, 2006

Ian Hacking sobre transplante de órgãos

Em "Whose Body Is It?", texto publicado na última edição da London Review of Books, Ian Hacking resenha Strange Harvest, livro de Leslie Sharp sobre transplante de órgãos.

quinta-feira, dezembro 07, 2006

Tipos de sintaxe, tipos de conteúdo mental, animais

Babel's Dawn, um blog sobre a origem da linguagem, traz, na postagem "Three Types of Syntax", uma discussão sobre alguns dos tipos de sintaxe considerados atualmente. Eis (em inglês) a tabela que resume as posições consideradas:

Uma das principais posições é a cartesio-chomskyana, segundo a qual a faculdade da sintaxe, possuída apenas pelos humanos, é inata, e muito distinta de tudo o que encontramos nos outros animais. Mas há, atualmente, posições que tratam tal capacidade como o desenvolvimento de habilidades que encontramos em outros animais. Tais animais teriam capacidades combinatórias semelhantes à capacidade da sintaxe, mas não teriam como expressar lingüisticamente tais combinações.

A investigação científica sobre a sintaxe é importante para vários debates em filosofia, entre os quais o debate sobre a estrutura lógica do conteúdo mental. Muitos filósofos defendem que o conteúdo mental de animais não pode estar estruturados proposicionalmente, e que ou o conteúdo mental humano está todo estruturado proposicionalmente (McDowell) ou em parte estruturado proposicionalmente, em parte estruturado subproposicionalmente (Dretske). Se a capacidade da sintaxe já está presente na atividade mental combinatória dos animais, sendo os mesmos apenas incapazes de externar tais combinações de maneira que nós humanos reconheçamos, então parece haver espaço para se discutir o conteúdo mental proposicional no pensamento dos animais.

terça-feira, novembro 28, 2006

Semana Acadêmica no blog do Cadafi

O Centro Acadêmico dos Estudantes de Filosofia (CADAFI) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul está postando textos e fotos da Semana Acadêmica no seu blog.

sexta-feira, novembro 24, 2006

Veritas, especial epistemologia

Nota do Claudio de Almeida no Certain Doubts:
Thirteen newly commissioned papers are collected in a volume edited by me, Perspectives in Contemporary Epistemology, a special, fiftieth anniversary issue of the Brazilian journal Veritas (vol. 50, no. 4, December 2005, published by PUCRS in Porto Alegre). The publisher is now making the papers individually downloadable for free, in PDF format, here:

http://revistaseletronicas.pucrs.br/veritas/ojs/viewissue.php?id=4&locale=en

Some of the most influential philosophers in the field are among the contributors:

Fred Adams
Jonathan E. Adler
Anthony Brueckner
Julio Cesar Burdzinski
Elvo Clemente
Earl Conee
Richard Feldman
Tito Alencar Flores
Stephen Hetherington
Peter D. Klein
Jonathan Kvanvig
Alexandre Meyer Luz
Felipe M. Müller
Doris Olin
Roberto Hofmeister Pich

quinta-feira, novembro 23, 2006

PPG de Filosofia da UFRGS passa a ter ingresso anual para o mestrado

O Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul passa a ter seleção anual para o mestrado. A seleção para o doutorado permanece semestral.

domingo, novembro 19, 2006

The Iris Murdoch Society

The Iris Murdoch Society

Através do sítio da Sociedade Iris Murdoch é possível ler o boletim anual, além de obter outras informações sobre a filósofa.

quarta-feira, novembro 15, 2006

Roberto Machado sobre a falta de coragem na filosofia brasileira

A entrevista abaixo saiu na Folha e foi reproduzida no moranafilosofia/2006 (post, blog):

FOLHA - O sr. concorda que parece haver pouca criatividade filosófica no Brasil? Qual é a explicação possível para isso?

ROBERTO MACHADO - A pergunta é boa, mas exigiria uma resposta que não sei se sou capaz de dar. De todo modo, o que posso dizer é que o trabalho para esse livro foi muito formador. Porque fui capaz de comprovar, com relação a mim mesmo, uma coisa que considero uma deficiência dos estudos filosóficos no Brasil. Caímos numa perspectiva de especialistas num período, num autor, e até mesmo especialistas num livro.

O que me chama a atenção é que em geral as pessoas restringem o seu universo ao daquele filósofo eleito como um paradigma do que seja filosofar. E não se chega nem ao estudo daqueles com os quais ele tem uma relação profunda.

Uma grande lição que comprovei com esse estudo é que não se começa do nada. Não existe tábula rasa -sempre se pensa a partir do que outros pensaram. O interessante para mim, na leitura desses documentos sobre a tragédia e o trágico, foi a demonstração de que é sempre com pequenas reapropriações, com pequenas torções que, dentro de uma região de idéias já produzidas por outros, se chega a um pensamento novo, diferencial. Um bom exemplo disso é de como Schelling retoma a teoria do sublime de Schiller -profundamente marcada por Kant- numa perspectiva metafísica.

Creio que uma das dificuldades da filosofia brasileira é que em geral abdicamos de pensar filosoficamente para fazer unicamente história da filosofia. A filosofia brasileira, mais ou menos até a década de 60, me parece ter sido marcada por um ensino doutrinário, aquele que privilegia um sistema filosófico como verdadeiro, o expõe como um conjunto de teses e situa, a partir dele, os outros sistemas como erro, desvio, ignorância.

Ora, com a importância que adquiriu a pós-graduação no Brasil, a partir do modelo da USP, para combater esse modelo, representado principalmente pelo tomismo, as pessoas se preocuparam menos em fazer filosofia do que em saber filosofia, em assimilar com rigor a filosofia dos outros. O conhecimento dos filósofos é importante, e até mesmo indispensável, mas a filosofia não pode ser reduzida a isso. O conhecimento da história da filosofia é uma condição necessária, mas não uma condição suficiente para que alguém se torne filósofo.

FOLHA - Esse modelo da USP era explícito, não é?

MACHADO - Sim. É muito fácil você encontrar um filósofo que diga: "Não sou filósofo; sou historiador da filosofia". Defende-se o rigor, mas ousa-se pouco. O que mais se precisa na filosofia brasileira é de coragem. Esse livro que escrevi é mais temático do que monográfico.